Sapore propõe fusão com gigante do mercado

16/02/2018
Por: Juliana Menegazzi

A Sapore, terceira maior empresa de refeições coletivas do país, apresentou oficialmente uma oferta para combinação de seus negócios com a International Meat Company (IMC), dona das redes Viena e Frango Assado, para criar uma companhia de R$ 3,3 bilhões em faturamento. A proposta deverá ser analisada pelo conselho de administração da IMC até o próximo dia 23.

“Há pelo menos um ano a Sapore está estudando essa operação, que é complementar ao negócio, mas em nenhum momento pensou em fazer uma oferta de compra, mas sim de combinação de ativos”, disse Elezir da Silva Junior, diretor financeiro da Sapore.

A proposta envolve a aquisição de 100% da Sapore pela IMC, e os atuais acionistas da Sapore receberiam 169.697.205 ações ON que seriam emitidas pela IMC. Assim, os controladores da Sapore passariam a ter o controle da IMC, já que possuiriam, no mínimo, 50,47% do capital. O valor proposto na incorporação é de R$ 8,92 por ação da IMC, que representa prêmio de 11,5% em relação ao preço da última oferta de ações feita pela companhia, em novembro de 2017, e de 6,57% em relação ao início da veiculação de notícias sobre o negócio, no dia 19 de janeiro.

Antes da incorporação, a IMC teria que pagar aos acionistas atuais R$ 355,342 milhões, por meio de combinação de distribuição de dividendos e/ou restituição de capital, o que equivale a R$ 2,13 por ação da IMC. Segundo a Sapore, a combinação dos negócios poderá resultar em uma valorização superior a 40% no preço da ação da IMC, considerando o pagamento extraordinário e os ganhos gerados pelas sinergias.

Outra condição estabelecida na proposta é que antes de a incorporação ser aprovada em Assembleia Geral Extraordinária (AGE), a IMC deverá ter valor de mercado, após o pagamento extraordinário, de R$ 1,13 bilhão, com base no preço médio da ação nos 30 dias anteriores. A Sapore terá que apresentar um valor de mercado de R$ 1,152 bilhão.

Sapore, que tem 500 clientes corporativos, entre eles Volkswagen, Ford, Pirelli, Citi e Safra, e 1,1 mil restaurantes, prevê alcançar receita de R$ 1,75 bilhão neste ano. A fusão alçaria a companhia brasileira ao mercado internacional. Isso porque a IMC, que hoje é tem capital pulverizado, atua nos Estados Unidos, Colômbia, México e países do Caribe.

A Sapore está sendo assessorada pela Riza Capital, de Marco Gonçalves. A empresa brasileira, fundada em 1992 pelo uruguaio Daniel Mendez, fornece cerca de 1,2 milhão de refeições diárias.

O que achou desse grande negócio para o mercado?

Fonte: Estadão e Isto é